Insensatez | parte 3

Por Vitória Cabral

aoa

Ela não aguentou, depois dele perder sua formatura, de tão bêbado, ela saiu de casa. Deixou tudo okay, até comprou o pão. Não tinha raiva. No fim, o carinho era grande, sabia que não adiantava tentar mudar o que ele era, mas já tinha mais que pago uma dívida; tinha se afastado dos amigos, que não entendiam. Sem contar com a família que tinha avisado que aquele romance não ia durar muito tempo, que depois de dois meses ela enjoava e arrumava um surfista estudante de direito, combinava mais.

Depois de tanta abnegação, esforço, renuncia deixou um bilhete perto do saco de pão; já não dá pra viver assim, na quinta nos vemos naquela sorveteria.

Ela pensou, voltou no tempo, ligou pras amigas, saiu pra se reconhecer. Chorou um pouco, ficou bêbada e falou que iria mudar e que amava as amigas. Mas ninguém costuma acreditar numa promessa de segunda ou terça.

Ficar na casa da irmã mais velha era melhor que ficar na casa dos pais, mas a irmã teve que dizer e redizer o quanto abominava aquele cara sem futuro.

Chegou a tal quinta, e realmente fez as malas de vez, mas não o deixaria tão só, já havia organizado sua vida, não ia deixar que ele continuasse uma bagunça, arrumou um emprego pra ele na agência de um amigo.

O amor não foi suficiente, e mesmo que parecesse insensatez deixar um amor, ela teve de partir. Muda-lo seria injusto, ele era o que era, essa era a maravilha dele, e ponto.

Talvez o destino desse amor fosse a saudade um do outro, cheio de lembranças de algo que ambos, claramente, jamais esqueceriam, mas era obvio que continuar com esse amor seria uma escolha infeliz. É que nem sempre amor e felicidade são sinônimos.

Você também pode gostar

Deixe uma Resposta