Arquivo de ‘Entre cônicas e Poemas’ category

Não te demores em amar

Por Vitória Cabral

6d0aed2b068f7fa97a7d2a0ca0a95b7c

Ninguém, ninguém mesmo, tem a obrigação de ser recíproco, nem com você e nem você. Mas todos nós temos o dever próprio de saber onde nos cabe amar, ficar, zelar ou deixar partir. Protelar uma partida é deixar de se (re)significar, não abrir espaço para novos amores, amigos – que também são os amores de nossas vidas e, como em qualquer relação, pode não funcionar tão bem com o passar do tempo. E na pressa incansável das rotinas que escolhemos, é possível se valer em desculpas para deixar seguir algo que já não nos cabe mais.

Na liquidez das relações, onde cada ato precisa valer algo, objetificamos sentimentos, damos prazos e metas para tudo, seja razão ou emoção. E a ansiedade que nos cerca pede peso e medida para validar sentimentos e analisar os gestos. Pois somos uma geração que leva mais quem aposta menos, quem se importa meno e quem significa quantificando.

Não devemos nos valer que o tempo nos permite amar, do lado de lá há um outro cheio de pressas como nós, do lado de cá cabe priorizar o que é devido. O segredo é não se deixar enlouquecer com a freneticidade da vida e o fazemos quando abrimos espaço para o amor, o zelo e priorizamos aquele outro que não queremos deixar fluir pela pressa.

O que precisa fluir é a vida, é o tempo e o amor. Por isto não te demores em amar, já que o tempo passará, independente do que façamos. Não demores em ver o que há de bom e cultivar bons sentimentos. Não te demores em protelar términos, abraços, sorrisos e agoras.

A felicidade na questão do ser

Por Vitória Cabral

0

Não é sempre que estamos dispostos ao que a vida nos oferece e como cães chorosos maldizemos os infortúnios da vida, que não preenche espaço com pessoas ideias, objetos ideias e vidas que projetamos como a verdadeira felicidade, mas esteja atento ao que vou dizer: é tudo ilusão. Felicidade, FELICIDADE mesmo é caminho. Pois sim, quem quer amar ama o presente e não se ilude com um destino que não se faz.

Se no agora somos instantes, que sejamos. Que saibamos amar e que tenhamos vontade de ser feliz com o que temos e somos. Você não precisa de objetos X, não precisa visitar os lugares Y, nem comprar as coisas Z para impressionar, embora inconscientemente, as pessoas P. Mas não falo aqui que para sermos felizes devemos abraçar um conformismo preguiçoso.

Mas é preciso ter uma vontade feroz para ser feliz. É preciso mudar o olhar e manter o olhar, aos que já são a segunda batalha é um alcance por dia. É preenchendo o olhar de vida que alcançamos este estado de viver.

Não há dia milagroso, mas há uma força no querer. Não há remédio que nos desperte, mas há bons abraços, boa alimentação, bons hábitos e largos sorrisos que podem invadir nossos dias. Pois felicidade é escolha, mas sei que nem todos os dias tomamos bons caminhos. Só que é por aí mesmo, no erro sim, que devemos ter vontade de refazer os caminhos e seguir para um futuro que iremos fazer por nossos próprios pés.

Desapegue o que não for

Por Vitória Cabral

gi

Tem gente que chega para somar, mesmo quando quer subtrair, a partir disto escolhemos como vamos reagir. Da quebra do imaginário pode nascer em mim poesia ou sonho, pode florescer sabedoria para compartilhar, ou posso me lamentar por ser quem sou, já que me limito no erro ou na dor.

Crescer dói, mas é loucura estagnar com medo de mudar, mesmo que a gente guarde um medo ou dois. Precisamos crescer, pois o sentido da vida é para frente.

Não que ampliar meus problemas ou medos, quero aprender com eles antes que me afogue fora de quem sou e ser quem não sou. Não vale nada guardar o que já não faz bem. Depois do desencanto vem o dessabor, ou seria um desamor, que resulta da inversão do amor? Apegar além do necessário torna uma casa vazia toda entulhada do que já não tem mais uso. E entre o obsoleto e a beleza minimalista escolho o simples, mesmo que pense muito sobre isso.

Imagem por: @pizzacomsushi

 

Antes de dormir

Por Vitória Cabral

82aae6806f8bbb93c55084f6c14eed96

Era o mistério que cercava, fazendo bagunça dentro e fora de si.  Vivia como que tentando entender o único coração que lhe era nesse tempo. Andava cheia de pensamentos, saltando-lhe a vista, girando a cabeça e prendendo o ar.

Sim, todos a diagnosticavam com uma síndrome de caso perdido de quem sonha de olhos aberto. Quanto mais o vento soprava mais sua cabeça girava, mais aquela música fazia fundo pros seus pensamentos, mas as ideias se distorciam deixando um buraco negro dentro do peito.

Antes de dormir sempre calhava de pensar que todo mundo tem esse buraco negro no meio do peito e que por ele ser tão forte cada um tenta sanar esse infinito com o que tiver em mãos. Mas ela, estranhamente, queria muito senti-lo, não que gostasse, mas era uma necessidade. Até entender que perder-se é o caminho em encontrar-se.

Quando o irreal é invisível aos olhos

Por Vitória Cabral

ullySegundo a ciência da vida, observada por Antoine de Saint-Exupéry  ”é apenas com o coração que se pode ver direito; o essencial é invisível aos olhos”. É preciso sentir pra viver, é preciso ver, as pessoas são assim. E por onde anda nosso olhar?

É necessário tão pouco pra se perceber dono de imensas fortunas. Mas onde está teu tesouro? Sei que é lá que guardamos nossos corações, já dizia o Mateus, discípulo do Cristo. E muitas vezes me vejo mirando o irreal. Não sei se do lado daí as coisas também são assim, mas por aqui eu vivo mirando os sonhos e devaneios, bem certa de que uma hora tudo vai acontecer. Pode ser ilusório, mas é o irreal que move meu mundo, que me tira da cama com resistência todos os dias. É pensando em uma decolagem alta, sem previsão de pouso, que  a vida me faz continuar.

Autorretrato: Ully Flôres | @Ullyflores

Pulou pro talvez

Por Vitória Cabral

Pra compor o texto que fiz hoje trouxe uma foto por  @Janribeiro

Lança Perfume-166

Olhou-se no espelho e repetiu três vezes o que já sabia não ser mais verdade. Abriu a porta e, para sanar seu minuto de lucidez e apagar de si o que não queria ver, tirou o batom da boca, meio borrado, em meios às lágrimas de si, meio meia.

Corria pela meta do instante que era – mas vai passar – precisa se curar daquela lucidez, precisa esquecer-se num canto qualquer e seguir o roteiro…

Parou de frente ao destino e pulou pro talvez.

A inconstância do medo de amar

Por Vitória Cabral

dcc32e4be6b427159661ddcf5726803aQual o momento certo pra saber se é amor? Quanto tempo vale a alma disposta a encontrar o que procura?  Ao se dar em parcelas e em seguida fugir do que mais se quer, você se depara diante de tantas incertezas na vida.

Talvez seu medo morem em saber se o outro lhe é recíproco, se é verdade ou ilusão, e isso te consome. Nesse tempo não  sabe o que se sente. Calma, só com o tempo entendemos.  E então você foge e se mira em outro universo, já que essa loucura  não te deixa viver. E assim faz do vazio um espaço do abismo que recai sobre você e o outro, pois é inútil acreditar em um começo depois que se perdeu o tempo, a hora e o lugar.

É injusto não saber o que vem depois, mas é assim que seguimos viagem, ou melhor, é por isso que continuamos seguindo em frente, pra saber o que nos espera.

Eu sei, não podemos voltar, mas sou dada ao e se… e tudo mudaria?

Você também pode gostar

Transição

Por Vitória Cabral

1374255_547727125299035_1958289482_n

Se reinventar é uma tarefa diária. Mas será que existe alguém inteiramente completo? Vez por outra fico imaginando se esse alguém não poderia ser eu, se de fato este alguém é real. Mas já parou pra pensar quanta gente de papel exite por ai? Gente que a gente inventa que é feliz 24h, e bem por isso nos obrigamos, quase sempre, a estampar um belo sorriso no rosto. Gente que a gente inventa que não tem problema como eu e você e que idealizamos, de longe ou de perto, uma felicidade eterna.

Daí eu lembro do trecho daquela do Rodox – De Uma Só Vez “se escrever com giz a chuva apaga o que é definitivo como tatuagem”, quanta coisa que abandonei por anos e quando fui buscar o tempo já havia levado pra dizer que não era eterno. Quantas coisas me assombram por não serem exatamente como antes, mas quanta gente eu assusto por já não ser o que lembravam.

A vida é meio disso e daquilo, de medo e coragem, de olhar pra frente e abraçar a nostalgia. Mas daí tem um hora que a gente tem de entrar pelo nosso avesso pra entender quem nos tornamos e equilibrar o que é saudade com o que é ilusão.

Você também pode gostar

Sobre aquela canção

Por Vitória Cabral

486710_509439502452411_172601265_n

Precisava andar só, com os pés descalços e repensar a vida enquanto a areia passava pelos meus dedos.

Eu havia me tornado uma estranha em mim, havia perdido meu jardim secreto, meu lugar seguro. Mas como voltar dentro de si mesmo? Dizem que o que nos impede de andar pra frente é a direção que escolhemos. Eu ficava pensando e repesando sobre isso, enquanto tentava arrumar a bagunça dentro do que diziam ser minha alma. Já era um bom começo.

De passo em passo, quando percebi, eu corria por ai como uma louca, respirando fundo e com uma vontade insana de chorar. E juro, eu juro mesmo que ouvi alguém sussurrando “You were made to go out and get her”. Foi ai que fui parando. Eu não precisava fugir, só mudar a direção de tudo, só arrumar todo o caos que havia dentro do meu coração/mente.

E eu poderia nem estar perto do que mais queria conquistar, mas eu sabia que realmente era isso que ia fazer. Não era uma dor tola que ia me fazer retroceder.

Voltei pra casa olhando as coisas como elas poderiam ser, ainda tinha vontade de chorar enquanto sentia a areia passando pelos meus pés, mas era um choro de consolo próprio. Escolhi uma música triste e me senti melhor, o medo passou, o sol também.

 

Você também pode gostar

Insensatez | parte 3

Por Vitória Cabral

aoa

Ela não aguentou, depois dele perder sua formatura, de tão bêbado, ela saiu de casa. Deixou tudo okay, até comprou o pão. Não tinha raiva. No fim, o carinho era grande, sabia que não adiantava tentar mudar o que ele era, mas já tinha mais que pago uma dívida; tinha se afastado dos amigos, que não entendiam. Sem contar com a família que tinha avisado que aquele romance não ia durar muito tempo, que depois de dois meses ela enjoava e arrumava um surfista estudante de direito, combinava mais.

Depois de tanta abnegação, esforço, renuncia deixou um bilhete perto do saco de pão; já não dá pra viver assim, na quinta nos vemos naquela sorveteria.

Ela pensou, voltou no tempo, ligou pras amigas, saiu pra se reconhecer. Chorou um pouco, ficou bêbada e falou que iria mudar e que amava as amigas. Mas ninguém costuma acreditar numa promessa de segunda ou terça.

Ficar na casa da irmã mais velha era melhor que ficar na casa dos pais, mas a irmã teve que dizer e redizer o quanto abominava aquele cara sem futuro.

Chegou a tal quinta, e realmente fez as malas de vez, mas não o deixaria tão só, já havia organizado sua vida, não ia deixar que ele continuasse uma bagunça, arrumou um emprego pra ele na agência de um amigo.

O amor não foi suficiente, e mesmo que parecesse insensatez deixar um amor, ela teve de partir. Muda-lo seria injusto, ele era o que era, essa era a maravilha dele, e ponto.

Talvez o destino desse amor fosse a saudade um do outro, cheio de lembranças de algo que ambos, claramente, jamais esqueceriam, mas era obvio que continuar com esse amor seria uma escolha infeliz. É que nem sempre amor e felicidade são sinônimos.

Você também pode gostar

1 2